Rio de Janeiro, 10 de Junho de 2018

Rebanho,

Desde o primeiro contato, me encantei pelo conceito: um rebanho em que ser ovelha negra é regra, não exceção. Sem pastor ordenando, porque cada uma trilhava seu caminho, consciente das decisões que tomava e suas consequências. Sem confinamento, porque ensinavam uns aos outros que o céu era o limite e, nos momentos de desâniM9, bastava olhar ao redor para encontrar apoio e exemplo a ser seguido.

Logo, atingirão o limite do campo cheio de ladeiras que dividiram durante todos esses anos, e seguirão por caminhos diferentes. Acompanho de perto a tristeza e saudade que estão sentindo, sentimentos lindos que só comprovam o valor do tempo que pastaram juntos. Mas, se o engenheiro agregado pode dar algum conselho, é esse: as únicas duas linhas que nunca se cruzam são as paralelas. Seguir caminhos diferentes só confirma que, em algum momento futuro, vocês vão se cruzar novamente.

Continuem reconhecendo as qualidades e o potencial das pessoas que encontrarem pelo mundo, como perceberam uns nos outros. Continuem aceitando e incluindo todos, como fizeram comigo e com outros agregados. Não se esqueçam dos aprendizados, não somente técnicos, desses últimos anos, sejam eles vindos de professores, colegas ou pacientes. Lembrem-se que vocês são incríveis por terem chego até aqui, mas que você não é detentor do conhecimento. Esse é apenas o primeiro passo nessa longa caminhada diária. Aproveitem o caminho.

Abraços e bons ventos,

Petroleiro

Advertisements

Rio de Janeiro, 04 de Junho de 2018

Eu gosto da nossa sincronia. Da dança lenta e agarrada enquanto a comida, refogada no amor e bom humor, não fica pronta. Da intensidade das nossas conversas e discussões. Das salpicadas de insensatez na monotonia do dia-a-dia que só você traz.

Mas mais do que da gente, eu gosto de você.

Seu jeito de ver o mundo é incrível, meu xero. Sua capacidade de não tomar o caminho mais fácil e só aproveitar, esquecendo dos 99%, me surpreende todo dia. E é bom demais te ter ao meu lado para colocar meus pés no chão. Sistemas complexos multivariados. Animais que precisam de natureza. Desfazer a programação social, aproximar da genética. Amar mais e se preocupar menos. Estar atrás da cachoeira sabendo escolher os momentos certos de mergulhar e bebê-la. Você diz que comida é remédio e eu adiciono: sentimento também.

Obrigado por me fazer enxergar que as coisas nem sempre seguem uma linearidade e que as vezes temos que parar de procurar padrões e causas. Que pensamentos encadeados sem conexões lógicas tem beleza, tem valor: novas construções de sentido, tudo o que você fez comigo e para mim. Vinho, verde, verdade (de quem?). Novas experiências e sensações e amigos e estresses. O entendimento de que nem todo problema tem solução – e alguns tem muitas. As conversas que tem por objetivo sí mesmas e portanto não tem objetivo algum.

É claro que o combo sorriso-barba-olhos-corpo-pelos me encantou. Mas quem me ganhou foi o coração-cérebro-discussão. Foi carinha de safado que abre a boca pra falar que má distribuição de renda mata mais que tudo. Foi a frustração primitiva que toma conta do seu semblante quando tenta e não consegue, ingenuamente, entender como tem tanta gente ruim no mundo querendo cada vez mais e mais sem pensar em nada além de sí.

Foi café forte. Itinerário. Crer-sendo. Partilhar.

Foi você. É você.

Obrigado por existir e ser quem é. Te ter na minha vida me faz duvidar da aleatoriedade do mundo. Eu te amo e tenho certeza que serás um médico tão incrível quanto és um ser humano, seja lá a especialidade que sua indecisão escolher de última hora (apesar dos pesares, eu gosto dela também).

Keep on shining. More than a bright light inside, you have flames.

Yours truly,

Vader, you’re not my father.

It’s funny how you can be an untouchable, unbreakable, invincible warrior to everyone that’s around you, but there is always that one person that can get you trembling with a word. Even the thought of it leaves you literally, physically, shaking. That someone that ignites your anxiety and makes you feel like your going to explode at any second. To me, this thing is my father.

The ugly giant wallet that I used to call father and tried to forgive and teach and improve with each passing day is my weak spot. And nowadays, unsatisfied with fucking up my mental health and giving me all sorts of anxiety problems driven by childhood traumas, he decided to fuck up mine and my brother/mother’s life just a little bit more. And the worst part is that it is not even his fault: he got mentally ill. Full time one hundred percent asylum material. Not making sense and not understanding a word, taking meds for schizophrenia and bipolar disorder, going from full optimistically happy to fifteen days on a row depressed and locked inside a room sad.

How can you ask someone that just got in his twenties to carry a luggage that heavy? Maybe I’m a warrior, but I’m not a war tank, not a cargo. There is only so much I can carry. But these events and life and daily routine and breathing and sleeping less than six hours a night and feeling like the world is gonna explode once every fifty seconds are all just constant reminders that I can take it all and I will get over this.

The only way out is through it. And believe me, in two years this won’t matter.

Shattering Glasses

Hoje, eu comecei meu dia quebrando um recipiente de vidro de meio litro. Sem querer, como se algo propulsionasse o objeto para longe de minhas mãos. Como se toda a tensão, frustração e angústia dos últimos dias estivessem acumuladas na marmita que carrego comigo todos os dias, junto com minhas seis horas desumanas de sono, quatro horas desumanas de trânsito e quarenta e oito horas semanais de jornada de trabalho/estudo. Junto com meus traumas de infância e a bagagem emocional e responsável de um homem digno da crise de meia-idade. Ao invés de começar o dia estressado antes mesmo de sair de casa e enfrentar as loucuras da sociedade moderna, recorri ao saber das antigas civilizações, que acreditavam que a quebra de vidros e porcelanas estavam ligadas ao descarrego de energias negativas.

O segredo é entender que não podemos controlar tudo o que ocorre ao nosso redor, mas podemos mudar a maneira que interpretamos.

and then you wake up in the middle of the night, feeling alone in the world. for that few hours, you can’t sleep, you can’t run, you can’t hide. it seems that even though you have an amazing boyfriend, that is just probably getting drinks with his friends, an amazing job, that can’t save you on the weekends, an amazing body, that can be seen when the lights are out, and amazing friends, already asleep, you can’t and you won’t ever have it all. because good enough is not good enough for you and because embracing the world will one day make you explode. how can you try again and again to wrap your arms around something that’s bigger than you, bigger than everyone? in the silence of the pitch black night, the only place you can find solace is the same that’s been there for you for the past decades: be it in your countryside town or in this huge city, your writing never abandons you. it never sleeps. it is more of you than you actually understand, for it has no arms and no boundaries, for it is part of everything and everyone you ever did or will do.

don’t forget about the writer’s blood that runs through your veins.

Projeto de Férias

A palavra do tempo livre será: Autoconhecimento.

Afinal, porque não aproveitar a fase de crescimento e início de vida adulta para crescer e amadurecer, aproveitando verdadeiramente?

Projetos para as férias:

  1. Escrever as experiências mais incríveis no Grook (my one and only green book)
  2. Realizar uma imersão nas mais diversas religiões e conhecimentos esotéricos
  3. Ler algum livro sobre investimento
  4. Fazer um curso diferente
  5. Ter uma experiência de trabalho
  6. Fazer uma viagem
  7. Ler Freud
  8. Ver Extr@s
  9. Aperfeiçoar minhas habilidades no Excel (vide email Raíssa)
  10. Aprender a fazer barra de calça jeans
  11. Visitar Nova Friburgo
  12. Começar Francês
  13. Estudar pelo menos uma matéria do próximo semestre
  14. Ganhar dinheiro de alguma maneira adicional

“I’m happy you’re saying that, because… I mean, I always feel like a freak, because I’m never able to move on like… this! You know. People just have an affair, or even entire relationships… they break up and they forget! They move on like they would have changed brand of cereals! I feel I was never able to forget anyone I’ve been with. Because each person have… their own, specific qualities. You can never replace anyone. What is lost is lost. Each relationship, when it ends, really damages me. I never fully recover. That’s why I’m very careful with getting involved, because… It hurts too much! Even getting laid! I actually don’t do that… I will miss on the other person the most mundane things. Like I’m obsessed with little things. Maybe I’m crazy, but… when I was a little girl, my mom told me that I was always late to school. One day she followed me to see why. I was looking at chestnuts falling from the trees, rolling on the sidewalk, or… ants crossing the road, the way a leaf casts a shadow on a tree trunk… Little things. I think it’s the same with people. I see in them little details, so specific to each of them, that move me, and that I miss, and… will always miss. You can never replace anyone, because everyone is made of such beautiful specific details. Like I remember the way, your beard has a bit of red in it. And how the sun was making it glow, that… that morning, right before you left. I remember that, and… I missed it! I’m really crazy, right?” – Before Sunset